PSL pode expulsar Gilsinho por encontro político sem autorização do partido


Foto da discórdia para o PSL onde Gilsinho aparece



Enquanto a cúpula do PSL de União dos Palmares, opta pelo silêncio de cemitério e não ganha as ruas da cidade para defender o presidente Jair Bolsonaro, na sua luta titânica para aprovar a reforma da Previdência ou pelo menos defender o ex-juiz Sérgio Moro, alvo do Intercept; no município o partido estuda a possibilidade de expulsar o ex-vereador, Gilson Lopes dos seus quadros.

A motivação, segundo uma fonte do blog, está ligada a ida dele ao encontro do G7, numa reunião política promovida pelo articulador independente, Joacyr Muniz Gama na semana passada numa chácara na região dos Frios.

- Ele foi a reunião política e não falou nada. Não comunicou a Comissão Provisória e não é assim - disse um membro do PSL que pediu ao blog para não ser identificado.

A fonte disse ainda que um dos mais revoltados é o professor George Washington B Cavalcante com a atitude de Gilsinho e que poderá fazer de tudo para pedir a sua expulsão por desobediência, falta de ética com o PSL na regional do partido.

Essa mesma fonte defendeu Gilson Lopes informando que ele é querido na regional do PSL, onde o presidente Moreno, estuda a possibilidade de lançar o nome do ex-vereador para prefeito de União dos Palmares em 2020.

Gilson Lopes tem conversando sobre a situação com poucos e dentre essas pessoas de sua intimidade, está o vice-prefeito Zé Alfredo, cuja ligação de Gilsinho é estreita.

Gilsinho Lopes participou na semana passada de um encontro político com outros pré-candidatos, numa chácara na região dos Frios, cuja pauta era vetar alianças com os candidatos Manoel Gomes de Barros, Kil de Freitas e Zé Alfredo.



Comentários