Amigos e parentes se despedem de Mano Plínio, sepultado em União dos Palmares


Mano Plínio morre aos 62 anos de idade




Ricardo Paranhos se despede de Mano Plínio



Caixão deixa a funerária Azevedo onde corpo foi velado



Maurício de Dazé, Uchôa e Zé Armando Assunção durante velório



Joacy, Aldo, Beto, Dário e Geraldão de Murici











Plininho, filho de Mano Plínio: abalado







Geraldão e Josival Miguel acompanham esquife



Zé Armando e Uchôa



Sebastião de Jesus, Francisco Viana e ao fundo ex-presidente da Câmara Municipal, Adelson Andrade



Kaká, Lourinaldo Cordeiro e Luciano Noberto







Poline Gomes, sobrinha



Antônio Aureliano e Clesivaldo















Mano Plínio sepultado em União dos Palmares


Amigos de Plínio Manoel Gomes da Silva, de 62 anos de idade, o Mano Plínio comentaram em velório o homem bom que ele foi. Uma pessoa que soube constituir amigos por onde passou, disseram. 

Esportista, Mano Plínio foi adepto da boa música. Um violão e um bom drink lá estava ele com sua presença generosa e marcante. O sepultamento de seu corpo ocorreu na manhã desta quarta-feira, primeiro de maio no cemitério Campo santo dos Palmares, em União dos Palmares.

Numa cerimônia simples, ela foi marcada pela emoção dos amigos, dos parentes de seu filho, Plininho, amparado o tempo todo por um grupo de amigos que foram solidário com o rebento mais novo do velho Mano Plínio.

Pessoas próximas da família ouvidas pelo blog disseram que uma cirurgia coronáriana estava marcada por Mano Plínio para ser feita num hospital particular em Maceió na última semana de abril. Ele resistia pois alimentava a lembrança que quando jovem sempre gozou de boa saúde e que a vida teria agora lhe virado as costas.

Noutro momento, nutria lembranças fortes onde ele comentava que sua irmã, Adelice Gomes(já falecida), estaria lhe chamando. Quando seu pensamento flutuava ao sabor do vento, alguns amigos de sua época de jovem sempre por perto confortava o velho Mano Plínio, não lhe permitindo desatinar.

- Ele sempre dizia que ia se submeter a essa cirurgia no coração mas que estava tudo bem e que ia voltar muito bem, pois tudo ia sair muito bem. Faleceu pós cirurgia. O hospital nega que ele teria sido vítima de uma bactéria, mas a família admite essa possibilidade.

Manoel Plínio Gomes da Silva foi sepultado no jázigo da família. Juntando-se aos esquifes de dona Carmelita sua mãe e Silvino Gomes, seu pai. 

Entre as falas dos amigos antes do caixão baixar à sepultura houveram palmas, muitas palmas para homenagear uma pessoa que marcou toda uma trajetória de vida morando em União dos Palmares, cidade em que ele nunca se ausentou para nada até falecer aos 62 anos de vida.



Comentários