Pedreiro que matou colega na Várzea Grande pega 10 anos de cadeia


Magistrado Yulli Rotter durante leitura da sentença




Helio Nascimento: condenado a 10 anos de reclusão, mas inicialmente em regime aberto




 

O pedreiro Helio do Nascimento Silva foi condenado a 10 anos de reclusão, inicialmente em regime aberto, pelo crime cometido no dia 2 de novembro de 2011 no acampamento do conjunto residencial Conceição Lyra, na comunidade de Várzea Grande, Zona Rural de União dos Palmares contra Guilherme Oliveira dos Santos.

De acordo com a denúncia oferecida pelo Ministério Público Estadual, Helio se encontrava tomando banho numa bica em Rocha Cavalcante quando a vítima chegou acompanhado de um amigo, identificado pela polícia militar como Gilneis de Oliveira.

Em determinado momento Hélio Nascimento teria repreendido Guilherme. Houve um princípio de confusão mas as partes envolvidas fizeram as pazes e no final do dia voltaram para casa tranquilamente.

De acordo com a polícia militar Gilneis e Helio, mesmo no acampamento da empresa passaram a beber e a discussão continuou. Testemunhas disseram nos autos que Hélio Nascimento teria provocado Guilherme e que que desta vez de posse de uma faca peixeira Hélio Nascimento passou atacar a vítima.

Num dos golpes as vísceras de Guilherme foram expostas e ele teve morte instantânea.

Durante o julgamento popular a representante do MPE, Jheise de Fátima Lima da Gama travou bom debate com a Defensora Pública Nicolle Januzzi de Almeida Rocha Pereira, cuja teses foram alvo de elogios do juiz presidente, Yulli Roter Maia.

Na sentença, o magistrado Yulli Roter anunciou a condenação de Helio do Nascimento Silva a 10 anos de cadeia, só que ele vai responder em princípio em regime aberto. Mesmo condenado, a promotora Jheise de Fátima disse que vai recorrer do resultado pois o acusado deveria deixar a sala do Juri direto para o xadrez, bem como a pena deveria ter sido bem maior do que 12 anos de reclusão.

 



Comentários