Com R$ 100 milhões em caixa, administrador da Massa Falida da Laginha não paga dívidas trabalhistas






O pagamento das dívidas trabalhistas da Massa Falida da Laginha Agroindustrial está cada vez mais difícil de se concretizar. A Comissão de Credores está irresignada quanto à condução do processo de falência envolvendo as empresas do Grupo João Lyra, especialmente pela inércia do Comitê de Credores que não está exercendo, de acordo com a lei, a sua verdadeira função.

Os credores trabalhistas não suportam mais tanta demora no recebimento dos seus créditos, especialmente porque há caixa de mais de R$ 100 milhões e até agora não se tem conhecimento do início do pagamento. Se existisse efetivamente um Comitê de Credores atuante, exercendo realmente as prerrogativas legais, já teria convocado os credores, especialmente os trabalhistas e discutido o desenrolar de atos que lhe cabe neste ofício. Porém, afirmam alguns credores, estão de braços cruzados, trazendo sério prejuízos para a massa trabalhadora.

Segundo os prejudicados, é evidente a inoperância e incapacidade do administrador judicial, José Lindoso, em consolidar a lista de credores trabalhistas, bem como do próprio comitê, que até o momento nada fez para garantir o pagamento do crédito de natureza alimentar.

Os trabalhadores estão dispostas a fazer novas movimentações, bloquear rodovias e chamar à atenção dos juízes para que se encontre uma solução rápida para quem espera resolver seus problemas particulares e até mesmo de sobrevivência.

Com Alagoas 24h

Comentários 1

O comentário não representa a opinião do blog. A responsabilidade é do autor da mensagem.
  1. LUCIANO escreveu em 11/08/2018 18:22:20:

    ESSA JUSTIÇA EM VEZ DE AJUDAR NÓS TRABALHADORES SÓ ATRAZA, NÃO DA PRA ENTENDER, FICA COM O DINHEIRO NA CONTA E NÃO PAGA.

Poste o seu comentário