Acusados na morte de evangélico são condenados a mais de 20 anos de cadeia; blog revela pena de cada um


Marinho, Maelson e Cléber(de pé): condenados



Acusados



Juiz de Direito Anderson Santos dos Passos quando anunciava a sentença ladeado pela promotora de Justiça, Maria Luisa Maia Santos



Implacável, o Conselho de Sentença do Tribunal do Júri de União dos Palmares, presidido pelo juiz de Direito da 3ª Vara Criminal, Anderson Santos dos Passos, condenou José Maelson Carlos da Rocha a 21 anos de prisão em regime fechado; Cléber Paulo Lima Santana, de 21 anos de idade a 28 anos de reclusão e Amaro José da Conceição, vulgo Marinho a 28 anos de cadeia.

A condenação de Maelson; Cléber e Marinho, segundo o Ministério Público, foi atribuída a uma trama ardilosa que resultou no assassinato do evangélico Maurício Félix da Silva, de 53 anos.

Presos no Ciridião Durval, Cléber e Marinho pelo telefone ordenaram a morte de Maurício a José Maelson Carlos da Rocha. De acordo com os autos, Maelson deu início a determinação de Marinho quando a vítima retornava para casa depois de ter participado de um culto na igreja Adventista do 7º Dia.

A Defensora Pública, Nicole Januzzi, tentou nessa acusação imputada ao trio, separar o joio do trigo perante o Conselho de Sentença revelando que Marinho, Cléber e Maelson são do submundo do crime e acusados em outros processos, mas merecem absolvição nessa acusação.

- Os três não podem ser condenados por conta de outros processos, eles são pessoas que se forem condenados agora retornarão para o Presídio do Agreste e todos nós para nossas casas, pensem nisso. A condenação deles não pode ser fruto de outros crimes. Eu peço a absolvição e, que os senhores possam entender isso", pediu a Defensora.

Para a promotora de Justiça, Maria Luiza, " Maelson, Marinho e Cléber tramaram a morte do evangélico só por que a vítima teria colaborado com a polícia militar informando a existência na praça Alto do Cruzeiro de um ponto de drogas e, isso, contrariou os acusados em seus negócios. Foi um crime bárbaro, injusto pela forma como ele aconteceu. A vítima foi seguida e um rapaz de nome Charles informou a Maelson que Maurício estava passando na praça, foi quando Maelson se aproximou da vítima e executou o evangélico. Por isso eu peço a condenação. Por isso eu peço, tenham coragem e façam Justiça", pediu a promotora. 

A imprensa, Marinho disse que "todos os processos que ele for julgado em União dos Palmares, será condenado. Parece tudo tramado, vai ser sempre assim", queixou-se, depois de ter sido informado sobre sua condeção de 28 anos de reclusão.

Maelson e Cléber preferiram não comentar a decisão do Conselho de Sentença. Os três retornaram para o presídio do Agreste, no município de Girau do Ponciano onde cumprirão pena.

Comentários 2

O comentário não representa a opinião do blog. A responsabilidade é do autor da mensagem.
  1. justiça escreveu em 09/06/2018 19:16:32:

    três alma cebosa

  2. Cláudia escreveu em 07/06/2018 13:31:10:

    O Ivan esse rapaz a vítima desse crime era um rapaz que ele sempre se candidata a vereador min responda ai faz muito tempo que sai de união esse nome não é estranho???

Poste o seu comentário